15/04/2019 10h40 - Atualizado em 15/04/2019 11h34

Dengue: Se você não eliminar os focos, o mosquito aparece

Os cuidados no combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, devem durar todo o ano, inclusive, em período de chuvas. Só nas primeiras 14 semanas de 2019, foram notificados 18.690 casos de dengue no Espírito Santo. E, a melhor forma de evitar a doença é acabar com os focos do mosquito. 

A maior parte dos criadouros do mosquito são encontrados dentro das residências, e seus ovos podem resistir por aproximadamente dois anos em ambiente seco. Ou seja, se o local em que ele foi depositado – uma garrafa, um pratinho de vaso de planta, por exemplo – não for eliminado, o ovo ficará ali esperando uma oportunidade para eclodir, ou seja, quando chover.

A população deve ficar atenta ao acúmulo de água em locais como calhas, pneus velhos, garrafas, além de manter quintais sempre limpos. É preciso trocar a água dos pratos de plantas. Também deve-se tampar tonéis, depósitos de água, caixas d’água e qualquer tipo de recipiente que possa reservar água, para assim evitar sua proliferação.

Indica-se o uso de repelentes, com precaução quando utilizados em crianças pequenas e idosos. Também são recomendados o uso de espirais ou vaporizadores elétricos em horários que os mosquitos mais picam: ao amanhecer e ao final da tarde. O ar-condicionado inibe o mosquito, mas não o mata. 

E é fácil identificar o Aedes aegypti e diferenciá-lo do mosquito popularmente conhecido como pernilongo. O transmissor da dengue tem hábitos diurnos, mas pode picar à noite; é escuro com listas brancas; é um pouco menor quando comparado ao pernilongo; costuma voar mais baixo e; tem uma picada indolor.  

Mesmo com todos os cuidados, se for picado e apresentar sintomas como febre alta e mal-estar geral, acompanhados de manchas avermelhadas pelo corpo, exantema (erupção cutânea), coceira leve, dor no corpo, dor de cabeça, procure imediatamente o médico, para que possa iniciar o tratamento mais adequado.

Informações à imprensa:
Assessoria de Comunicação da Sesa
Syria Luppi / Kárita Iana / Luciana Almeida / Thaísa Côrtes / Luan Ribeiro
(27) 3347-5642 / 3347-5643 
asscom@saude.es.gov.br

 

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard