14/03/2019 17h04 - Atualizado em 14/03/2019 17h06

Mitos e verdades sobre o Aedes aegypti

O medo de adoecer por causa da dengue leva as pessoas a utilizarem alguns métodos que nem sempre são eficazes para o combate ao mosquito. É preciso saber que o melhor remédio para combater a doença é a atitude de cada um. Dengue é uma doença séria que pode causar a morte. Saiba o que é mito e o que é verdade sobre o mosquito:

 

Basta secar os lugares onde tem água parada?

Não. Também é preciso limpar. O ovo do mosquito pode se manter viável por mais de um ano na água.

 

O mosquito da dengue pica apenas durante o dia?

O mosquito pica principalmente durante o dia, mas se tiver oportunidade também vai picar a noite.

 

É verdade que apenas a fêmea pica?

Sim. Ela necessita do sangue em seu organismo para amadurecer seus ovos e assim dar sequência no seu ciclo de vida. Ela pode colocar até 500 ovos durante seu tempo de vida, que varia de 30 a 45 dias, tempo suficiente para picar até 300 pessoas.

 

Velas de citronela ou andiroba ajudam no combate ao mosquito?

Não. Esses recursos têm efeito temporário e indeterminado.

 

O inhame e o complexo B ajudam na prevenção da doença?

Não. As pessoas falam que principalmente o complexo B tem um cheiro muito forte e espanta o mosquito, mas não é verdade. Tomar vitamina B para evitar a aproximação do mosquito não se mostra eficaz, uma vez que o efeito varia de acordo com o metabolismo da pessoa e pode não repelir o mosquito.

 

É possível distinguir a picada do Aedes aegypti da picada do mosquito comum?

Não. A sensação de eventual coceira ou incômodo é igual a picada de qualquer outro mosquito.

 

A água de piscinas pode servir de criadouro para o mosquito?

Depende. Se a água estiver bem tratada e com a concentração recomendada de cloro, o mosquito não se desenvolve. Já foi comprovado que a água com cloro e a água salgada funcionam como repelentes. Caso contrário, o mosquito pode se desenvolver sim.

 

Aplicar borra de café na água das plantas e sobre a terra ajuda a combater o mosquito?

Não. A eficácia da borra de café não foi comprovada (já foi verificado na prática que a água suja de borra de café desenvolve a larva do mosquito) e a sua utilização não simplifica os cuidados recomendados que são: a eliminação de pratos junto a vasos de plantas, a colocação de areia até as bordas dos pratos para eliminar a água e lavar pratos com buchas e sabão semanalmente.

 

É verdade que o mosquito se reproduz mais rápido no calor? Quais outros hábitos do mosquito?

Sim. No calor, o período reprodutivo do mosquito fica mais curto e ele se reproduz com maior velocidade. Isso explica o aumento de casos da doença no verão. O mosquito fica onde o homem estiver. Prefere picá-lo a qualquer outra espécie e gosta de água acumulada para colocar seus ovos.

 

No período de inverno a população está livre da doença?

Não. Durante o frio, a larva entra no estado de hibernação. Quando as chuvas e as altas temperaturas voltam, as larvas eclodem e há a contaminação novamente. Portanto, o trabalho de vistoria de quintais, terrenos baldios, estabelecimentos e outros locais, bem como a busca e eliminação de criadouros do mosquito deve ser mantido também durante o inverno.

 

O ideal é usar um repelente ou os inseticidas para evitar a picada do mosquito?

As duas opções podem ser utilizadas. No entanto, é preciso destacar que esses recursos são soluções momentâneas e não resolvem o problema da doença. Quando termina o efeito do repelente, a pessoa está novamente exposta ao mosquito. Portanto, o ideal é se manter vigilante e eliminar os criadouros onde o mosquito deposita seus ovos e se prolifera.

 

É verdade que o mosquito não consegue atingir locais altos?

A fêmea se alimenta de sangue no início da manhã e mais no final da tarde, o que não impede que aconteça em outros horários. Ela pode chegar a alturas como a caixa de água de casas, calhas e terraços. Contudo, sua potencialidade de vôo não atingiria um prédio de quatro andares. É preciso considerar, no entanto, que o mosquito pode estar alojado em elevadores, embalagens de materiais diversos, brinquedos, caixas de ferramentas e uma infinidade de outros recursos que podem conduzi-lo até a cobertura de qualquer edifício.

 

Ar condicionado e ventilador impedem as picadas do mosquito?

Não. O ar condicionado pode impedir a entrada do mosquito, já que é utilizado em ambientes fechados. Normalmente, o mosquito localiza a vítima em função da liberação de gás carbônico, feita pelas vias aéreas. Então, pelo fato de o ventilador ou ar condicionado estarem ligados, o gás carbônico fica mais diluído e impede que o mosquito encontre pessoas para picar.

 

Colocar água sanitária na água ajuda a evitar as larvas?

Sim. Colocar uma colherzinha de água sanitária na caixa d’água, na piscina, nas poças de água ajuda a evitar as larvas.

 

Todas as pessoas picadas pelo mosquito transmissor irão desenvolver a doença?

Primeiro é preciso que o mosquito esteja contaminado com o vírus.

 

Para saber mais sobre a doença no Espírito Santo, acesse os últimos boletins da Dengue, Zika e Chikungunya.

 

 

Acesse aqui o 10º Boletim da Dengue.

 

Acesse aqui o 10º Boletim da Zika.

 

Acesse aqui o 10º Boletim da Chikungunya.

 

 

Informações à imprensa

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado da Saúde
Syria Luppi / Kárita Iana / Luciana Almeida / Thaísa Côrtes / Luan Ribeiro

E-mail: asscom@saude.es.gov.br 
Tels: (27) 3347-5642 / 3347-5643

 

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard